Meu Perfil
BRASIL, Sudeste, SAO PAULO, Mulher, de 46 a 55 anos, Portuguese, Italian, Livros, Fotografia
MSN -



Histórico


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis


 
 
Blog da Esther


Capitulo 55 - Uma Homenagem

Aqui estou!

Ou melhor: estou aqui, em Sampa.

Mas para manter a coerência do meu diário, estou dentro de um avião que decolara para Curitiba daqui 10 minutos.

Não vou para lá faz uns 10 anos e será uma viagem importante, para rever a minha irmã  e a minha primeira chefe, aquela que me contratou em 1978 para meu primeiro emprego formal, CLT, e no turismo. Ou seja, ela é a responsável por eu estar aqui, 32 anos depois, falando, trabalhando e vivendo de viagens. Não a vejo há pelo menos 25 anos e será uma pequena viagem ao passado, encarar a cidade onde fiz minha passagem para a vida adulta.

Mas neste capitulo quero também fazer uma outra homenagem.

Em 1930, em Lodz – Polonia, David Bialek, fabricante e comerciante de meias, casado e com duas filhas de quatro e dois anos, arrumou a mala e partiu sozinho em busca de um lugar onde o fato de ser judeu não o transformasse automaticamente em um pária da sociedade.  Sem ter nenhum contato além mar, com a cara e a coragem, atravessou o Atlântico na terceira classe de um navio para desembarcar em Santos. Dois anos depois conseguiu chamar sua esposa e filhas e aqui prosperaram , tiveram mais uma filha e sobreviveram ao Holocausto.

Meu avo foi um homem forte. Me lembro pouco dele mas agora que vivo entre dois países começo a entender o tamanho da sua coragem, da sua determinação, de partir para um mundo tão longínquo como diferente, sem falar a língua, sem conhecer ninguém, em busca de um futuro melhor.

Tudo isso para contar que no ultimo sábado eu finalmente recebi meu passaporte polonês, que fechei o ciclo desta família reafirmando nossas origens e nossa historia familiar.

Sou agora cidadã de dois mundos, mas pelo andar da carruagem meu avo acertou mesmo: o futuro esta novamente aqui no Brasil.

beijos



Escrito por Esther às 12h03
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



Capitulo 54 - Verao que acaba

Acabou a liquidação de verão. Acho que foi por W.O. porque não tem mais ninguém na cidade.

Parece aqueles vilarejos fantasmas dos filmes de farwest: sol de fritar e bolas de poeira rolando pelas ruas. Torino não é ainda uma cidade fantasma porque pelo menos eu ainda estou por aqui, mas só ate amanha ... depois embarco de volta para Sampa e não vai ter quem apague a luz.

Ok ... estou exagerando, ainda tem algum restaurante aberto, uma loja aqui, outra ali, mas para nos, paulistas da cidade que nunca dorme, é muito esquisito e um pouco baixo astral ver tantos negócios com as portas fechadas, até supermercado, hotel .... mais de um ...e igrejas. Não sabia que padre saia de férias.

Me contaram que antes era pior. Torino vivia de e para a FIAT, que fechava em férias de verão durante todo o mês de Agosto. Uns 30% da população trabalhava ou na fabrica ou em empresas ligadas diretamente à Fiat, outros 30% trabalhava para atender este 30% e o restante para atender todo mundo  e assim no dia que a Fiat fechava, fechava a cidade.

Foi assim ate meados a década de 80. Depois a FIAT começou a querer fechar mesmo a fabrica de Torino, ameaçando, a cada vez que os trabalhadores pediam para negociar salários, em transferir a linha de produção para o sul da Itália, para o Brasil ou para a Polônia, onde os sindicatos não eram tão organizados. Ai vinha o governo e lembrava aos cartolas de todas as facilidades, financiamentos e privilégios que eles haviam gozado nos anos dourados da industrialização italiana e se faziam acordos, mandando alguns milhares para “cassa integrazione”, um tipo de aviso prévio onde o governo garante o salário quase total por muitos meses antes de serem demitidos, mecanizando ainda mais a linha de produção e transferindo parte importante da fabrica para países periféricos. Hoje tem menos trabalhadores na super planta industrial de Mirafiori do que tinha na fabrica da Avenida  Dante, o primeiro prédio, do inicio do século XX.

 Mas alem de parada, a cidade esta derretendo de tanto calor. Faz mais de 30° com muita umidade, cujo efeito se chama “AFA”, e uma sensação térmica que me parece de 50°. É diferente porem do nosso verão, que a gente sabe mais ou menos quando começa e não tem a menor idéia de quando termina. Aqui se sabe que depois de três meses de Verão vem o Outono, que muda tudo, que se colhe o tartufo e a uva, se faz o vinho e volta a produção de chocolate, esfria mesmo e as pessoas voltam a usar roupas preta, cinza ou marrom. E será em Setembro, invariavelmente.

É muito legal isso de ter 4 estações bem marcadas e diferentes durante o ano, tenho sempre a sensação de renovação. Agora parece que esta acabando uma vida: sem aulas, sem estudantes, sem gente na rua, sem loja, sem restaurante, sem ar para respirar .... tudo parado ate que o Outono chegue para recomeçar.

Só não tenho muita certeza se as empresas, os Bancos e a Bolsa de Valores italiana agüentarão   ate la .... eles talvez não, mas o Silvio me parece invencível ....

Beijos e ate daqui a pouco !!!

P.S. a diferença entre Torino e um deserto : no deserto a noite é fresca ....



Escrito por Esther às 16h04
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



Capitulo 52 - Noticiario da Semana

Boa Noite !!

Começa agora o resumo da semana e quem quiser pode comentar :

Dia 1 : Berlusconi fala em Parlamento e diz que a crise existe, mas que a Itália esta forte e saudável.

Dia 2 : A Premier alemã  diz que a economia italiana é forte e solida, mas o Deutsche Bank vende, neste mesmo dia,  todos os títulos italianos que tinha.

Dia 3: Enquanto as bolsas da Europa e USA desabam, o Parlamento Italiano sai de férias e avisa que alem dos 30 dias normais, vai fazer uma extensão de mais 10 dias porque 170 parlamentares farão uma peregrinação à Terra Santa, no inicio de setembro.

Dia 4 : Berlusconi diz em reunião com os empresários e os sindicalistas, equivalente a uma reunião conjunta da FIESP, CUT e Força Sindical, que a Itália vai mal, mas que as suas empresas (as de Berlusconi, bem explicado) vão bem !!

Os Parlamentares decidem que voltarão  ao trabalho alguns dias antes da peregrinação ....

 

Dia 5: Protestos contra a instalação de quatro radares na Sardegna, cuja justificativa seria controlar barcos de imigrantes da África. Estranho, porem, é que estes radares seriam instalados no lado oeste da Ilha, aquele que olha para a Espanha....  A África fica ao sul ..... A multinacional que fabrica os radares e ganhou a concessão sem licitação, não comentou.

Os parlamentares não sabem se farão 30 dias de férias ...

 

Dia 6: Enquanto um político vem a TV pedir para que os italianos não saquem suas economias porque todos devem ser solidários com os Bancos neste momento (!!!!!!!!) os âncoras dos principais telejornais deixam claro que França e Alemanha estão determinando quais medidas econômicas o governo italiano deve colocar em pratica neste momento. Já que os políticos italianos não conseguem desgrudar o Berlusconi da cadeira de primeiro ministro, os saxões decidiram tomar as rédeas da situação ...

Os parlamentares não sabem se farão férias ...

 

Dia 7: Final do Campeonato Italiano (Supercoppa) entre o Milan e a Inter (dois times de Milão) se joga em Pequim, na China !!! Parece que é porque lá os torcedores alem de lotarem o estádio, compram mais camisetas originais dos clubes .... Dizem que aqui tem muita copia pirata “made in China” ...

Gente, que inversão é essa !!!

Na hora em que sair meu passaporte polonês vou emigrar para o Brasil !!!!

Ate logo !! 



Escrito por Esther às 18h13
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



Capitulo 52 - Em Casale

Faz uma semana que escuto falar da cidade de Casale em varias conversas que tive por aqui.

No domingo pedimos o carro da “nonna” emprestado e fomos passear pela planície Padana, ou seja, o vale do Rio Pó, que é circundado pelos Alpes e Apeninos. Nesta planície ocorrem vários “micro-climas” que são responsáveis pela qualidade e especificidades de vinhos (Barolo, Nebiolo entre outros), de queijos (parmegiano reggiano , grana padano entre outros), dos prosciutos, dos salames e de uma ideologia reacionária e conservadora de uma gente que não pára de falar em se separar da Itália.

Fica aí, nessa planície, a cidade de Casale, mas o que me levou a querer visitar este lugar não tem nada a ver nem com o clima nem com a Lega Nord  e sim com a existência de uma Sinagoga barroca e um pequeno Museu Judaico.

Nossa visita durou mais de três horas, não pelo tamanho do museu, mas pela conversa estabelecida com a nossa “guia”, que ao responder as perguntas dos visitantes me ajudou a fazer um belo exercício, o de procurar diferentes leituras para uma mesma informação e assim ficamos horas falando sobre outras explicações para regras e rituais judaicos,num verdadeiro dialogo judaico, aquele de responder perguntando....

No Facebook cheguei a mencionar dois comentários. Um sobre uma interpretação do significado da pedra que deixamos sobre o tumulo visitado nos cemitérios judaicos. Poderia ser a pedra que cobriria e protegeria os restos ali enterrados. Poderia ser também uma pedra que representaria o Templo destruído. Mas a mais poética é sobre a natureza da pedra: o vinculo duradouro com aquele que já se foi.

Comentei também sobre uma regra que antes me parecia incompreensiva: Não misturar o leite com a carne. E a explicação mais simples é a de não misturar a vida (o leite que a mãe dá ao filho) com a morte (a carne do animal morto). Nessa conversa falamos sobre a comida kosher e o significado do ritual de sua preparação que é o de render homenagem ao animal sacrificado para a nossa sobrevivência, e essa morte não pode ser executada e aceita como  um ato banal, vulgar, corriqueiro. Tem que ser ritualizada e o processo visa, inclusive,  encarecer o produto para restringir o seu consumo. Interessante !

Outra conversa foi sobre o significado do Shabat, que me foi sempre explicado como um dos momentos mais importantes da religião e que fez nossa guia discorrer sobre o significado do “tempo”. É o dia em que não devemos, não podemos e não queremos “produzir”, é uma pausa para a reflexão, para o prazer, para o ócio sem culpa, um momento no qual nos apossamos do tempo para dispor dele de acordo com a nossa vontade. Não havia pensado nesta interpretação e ela fez muito sentido. Ainda mais quando a guia explicou que na religião judaica, o único dia que tem nome é o Sábado. Os demais são apenas numerados na seqüência, o dia seguinte ao shabat é o dia um (seria o domingo), depois o dia dois (segunda feira), dia três (terça feira) , dia quatro  ... quarta .... humm .... que interessante isso  !!!

Beijos



Escrito por Esther às 05h18
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



Capitulo 51 - Pequenas Bobagens

Sexta feira, verão, 18 horas, saio de casa de bicicleta e ooppssss ... um caos no transito, mais de 10 carros em fila no semáforo .... ainda bem que estou em bicicleta, posso cortar este enorme engarrafamento e desfrutar do vento fresco do final do dia.

Dia de sol que mais parece primavera do que verão. E tem sido assim desde que cheguei,  dias frescos, alguns mais frios e chuvosos, com um ar de  outono e temperatura convidativa para fazer uma pausa e tomar um café quente em um destes cafés históricos. Falando em café tenho que contar essa historinha.

Almoçamos quase todos os dias em um pequeno restaurante caseiro onde ganhamos sempre o café que vem acompanhado de uma bolachinha a base de café e canela, uma delicinha. Levo sempre a bolachinha para casa, para comer no meio da tarde. Levo a minha e a do Andrea. Mas nem sempre dá tempo de fazer a merenda e as bolachinhas estão se acumulando, acumulando, ate que decidi procurar uma caixinha bonitinha para guardar as bolachinhas e quem sabe ate presentear alguém, no Brasil, porque essas bolachinhas não estão a venda !! São distribuídas pela torrefação do café Vergnano, exclusivamente  para os bares e restaurantes.

Comecei a procurar caixinhas. Para quem não sabe sou uma apaixonada por caixinhas, tenho um armário em São Paulo cheio delas. Ou seja, aquilo que era uma diversão estava começando a virar uma obsessão. Parava em quase todas as lojas de 1.99 porque não posso gastar mais do que isso para guardar as tais bolachinhas. A sogra revirou a casa dela a procura de alguma caixinha perdida, o Andrea começou ele também a prestar atenção se havia visto alguma caixinha em oferta e meu horário de almoço foi se transformando em período de caça a caixa.

Então tivemos que ir ao Eataly, aquele supermercado só de produtos italianos, de alta qualidade, e passando pelo corredor dos cafés, vejo uma latinha de café em pó. Uau .... como dizemos a Gaia e eu ... Uma latinha de café em pó Vergnano, aquele da bolachinha !! Perfeito ate no tamanho. Comprei a latinha, que nem era tão cara, e ganhei ainda 250 grama de café em pó. Hoje vou comprar uma MOKA, aquela cafeteira típica italiana, para  poder consumir o café, para esvaziar a lata, para guardar as bolachinhas, que não darei de presente para ninguém !!

Falando em bobagens, falemos da política italiana. Enquanto a Europa esta em polvorosa, discutindo a possibilidade do default norte americano, suas conseqüências na Europa e o déficit grego que deixa a zona do Euro na UTI, o congresso italiano acaba de aprovar mais uma lei do Berlusconi, que se chama “processo longo”, e que permite que em um processo a defesa possa apresentar uma lista infinita de testemunhas, e que todos devem ser escutados. Com isso o processo facilmente entrará em prescrição antes de acabar. Feito para uso próprio, sem levar em consideração a realidade do país e as conseqüências para o cidadão comum, os políticos italianos vivem só dessas pequenezas internas,  sempre em torno da figura do premier, deixando a crise econômica consumir silenciosamente todos os recursos físicos, humanos e ideológicos deste pais.

Esta acabando julho,  segunda feira quase todo o pais estará em férias. Vejo muita gente, mais muita gente mesmo circulando com malas, instalando o bagageiro no carro, colando avisos na vitrine de que estarão em férias ate 01 de setembro, todo mundo se despedindo de todo mundo, espero que o último a sair apague a luz ...

beijos

 

 

 



Escrito por Esther às 18h35
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



Capitulo 50 - Sao Paulo ja fui ...

Já voltei para a Itália e nem escrevi ainda o meu capitulo sobre São Paulo ...

Vou resumir algumas coisas que pensei .... desde a minha chegada até a partida, na semana passada...

Desta vez circulei mmmmuuuuuuito pela cidade, em ônibus, metro, a pé, de carro e de carona e a sensação que ficou é de que Sampa é uma cidade que vive diferentes tempos históricos.

Na avenida Nove de Julho uma senhorinha a minha frente, provavelmente analfabeta, tenta entender que avenida é essa, onde se atravessa, onde pára o ônibus: na direita ou na esquerda, por onde se sobre no carro: pela porta da frente ou de trás, por onde se desce: direita ou esquerda, onde acaba a viagem?

Ela poderia ter vindo do século XIX e caído aqui, bem na minha frente, que faria muito sentido. Acompanho seu olhar amedrontado e curioso, enquanto o ônibus  anda e freia, anda e freia, e encontro o de duas moças, que pelo sotaque também vem de fora, do nordeste ou do centro oeste, e que conversam animadamente. Estamos sentadas, duas a duas, frente a frente, nesses novos ônibus articulados, como se fosse uma sala de visitas. E a sensação da sala de estar aumenta quando entra um vendedor de bolachas e chocolates, muito falante, explicando a diferença do produto que ele vende fabricado pela mesma empresa que vende em super mercado muito mais caro. Ele oferece uma versão pop, sem aquela embalagem cara, mas com a mesma qualidade e menor preço. As meninas não resistem e cada uma compra um pacote. Elas nos oferecem os maravilhosos biscoitos “pururuca”, que leio na embalagem : “elaborado com milho, sabor bacon” e continuam a papear. Do outro lado do corredor do ônibus tem um rapaz que lê. Le um livro. Me chama a atenção porque faz tempo que não vejo um jovem lendo um livro de verdade. Tem sempre quem lê o jornal do metro, um caderno de esportes de algum jornal tradicional, uma revista de fofocas ou material da escola. Mas um livro assim, com muitas paginas, sem figurinhas,  como a gente lia no século XX, ta difícil de encontrar !!! Tento descobrir que livro é mas o ângulo em que o vejo não ajuda e não vou nunca descobrir porque neste momento entram novos passageiros e um deles pára bem na minha frente.

Trata-se de um homem de aproximadamente 40 anos, tira do bolso um celular e começa a manuseá-lo.  E não pára mais. Quando me levanto porque meu ponto esta chegando, vejo que se trata de um “ifone”. E a partir deste dia comecei a observar que a metade das pessoas com quem eu me encontrei  neste mês e meio em São Paulo, usam “ifone”. A outra metade usa um outro smart fone, porque todo mundo faz muitas coisas com esse aparelhinho. Não precisam mais de mp3, coisa do século passado, porque agora escutam musica no celular. Fazem fotos sem precisar de uma maquina fotográfica, que também esta se tornando um objeto obsoleto junto com aquelas filmadoras “camcorder”. Agora esta tudo aqui, junto com o acesso à internet, que vai deixando os computadores PC e os note books para o passado.  Tudo no bolso ou na palma da mão. Muito moderno.

Mais moderno mesmo são os carros que circulam em Sampa. Fiz uma contabilidade e cheguei a conclusão que 70% das pessoas com quem me encontrei, ou me deram carona neste período, tem um carro com cambio automático. Fiquei impressionada. Acho que nunca tinha visto uma São Paulo tão moderna, onde tudo é muito caro mas ninguém deixa de comprar ou fazer, mesmo enquanto reclama.

Fico com uma impressão  muito otimista de que o Brasil tem futuro,  que estamos a caminho de um desenvolvimento social verdadeiro, que precisamos ainda fazer a transição para uma parte da nossa população,  que tem que sair de um passado de muitas carências para chegar no promissor século XXI, e assim embarco para a Europa onde imagino o que vou encontrar ... mas isso eu conto em detalhes, nos próximos dias!

Beijos e ate já.

 



Escrito por Esther às 16h22
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



Capitulo 49 - Malas Prontas

Daqui a pouco vou para o aeroporto mais ainda dá tempo de escrever algumas linhas, um pouco mais introspectivas, mas quero compartilhar com vocês ...

Na Itália vivo uma experiência que me lembra o período da faculdade. Aprendo muito, mas a cada nova lição me dou conta da minha enorme ignorância e percebo sempre que sei menos, muito menos do que eu acreditava saber. Os horizontes vão se alargando e quanto mais aprendo mais claro fica que tenho ainda muito mais para aprender, me deparo, porem,  com vários obstáculos.

O idioma é o primeiro e quem sabe o maior deles. Aos 52 anos não é que dá para aprender uma língua nova assim fácil como quando se tem 18, gírias e algumas regras gramaticais, para desespero do Andrea, não entram facilmente na minha cabeça.

Erro no gênero, especialmente nas particularidades deste idioma, por exemplo: arquiteto em italiano é sempre masculino : “o arquiteto Maria”, ou então “os arquitetos Maria e Margarida.”; a mesma coisa para “sindaco” (=prefeito). É “o sindaco Maria”, mas piloto, seja de avião ou Formula 1 é “o pilota”. Na forma de respeito (Sr.)  se usa Lei, que é igual a lei (ela), e mesmo sendo um homem, os pronomes vão sempre no feminino : “Sr. Fulano, posso chiamarLA !!” e fica ainda mais complicado quando o fulano se chama Simone ou Michele, (alem de Andrea, é claro) que aqui é nome de homem. Na hora de falar sai tudo errado, me sinto uma alemã trocando os artigos e quando tenho que usar o tratamento formal vou logo avisando : não sei conjugar a segunda pessoa do plural e vai de TU mesmo, ok?

Erro muito nos horário. O super mercado fecha para o almoço, a padaria fecha para o almoço e encerra o expediente as 19 horas, mas nem adianta chegar as 18 porque já não tem mais nada para vender. Papelaria, Igrejas e alguns museus também fecham para o almoço, O açougue fecha na quinta feira, o dia todo, e poucas lojas abrem na segunda antes das 15 hs.  É sempre uma tentativa e varias vezes dou com a cara na porta porque o conceito de “orario continuato” (sem pausa para o almoço) é ainda muito recente por aqui.

Depois tem as diferenças na mesa. Preciso sempre me acostumar que o arroz se come sozinho, mesmo no restaurante chinês, pizza se come no almoço, a salada fecha a refeição e que quando peço macarrão não me trazem a faca porque não se corta o macarrão e se usa o pão para ajudar o garfo. Italiano não vive sem pão.

Mas o que eu mais curto é quando percebo que com meu olhar de estrangeira  acabo mostrando também para os nativos alguns detalhes que eles não haviam percebido.

Esta semana parei frente a um mural na entrada da Praça de San Carlo, para observar novamente o desenho feito em 1937 com o projeto arquitetônico fascista de planificação desta aérea. É verdade que fica um pouco na sombra de um arco, mas é enorme. Nisso ouvi uma voz atrás de mim: Uauu ....

Não era  a pequena Gaia, era uma senhora completamente surpresa, admirando ela também o mural. Me olhou e começou a falar: “faz 25 anos que vivo nesta cidade e nunca tinha visto esse mural. Te vi olhando a parede e fiquei curiosa para saber o que tinha chamado tua atenção. E descobri essa imagem genial da cidade”. Me agradeceu e seguiu seu caminho.

E eu também tenho que ir, mas antes de desligar o computador quero contar duas coisas super importantes.

Lembra da Sacra da San Michele ? EU FUI !!!!!! Minha amiga Claudia chamou uma terceira amiga que tem carro e juntas, em uma tarde de sol, fizemos uma rápida visita a Abadia no alto da montanha. Linda !! O Andrea só soube do meu passeio depois ...

E você lembra de Berlusconi ?? Tomou a maior porrada nas urnas! Foram as eleições para Prefeito em muitas cidades do país (não em todas porque em varias cidades os prazos dos mandatos não coincidem, ainda não entendi porque). O partido de Berlusconi perdeu no país inteiro: de leste a oeste, de norte a sul, incluindo as cidades chaves: de Torino a  Trieste, passando por Milano, onde sempre esteve a base berlusconiana e perdendo também a cidade de Arcore, onde ele mora, de Bologna a Reggio Calabria, passando por  Napoli, onde um juiz, que para Berlusconi é a imagem do demônio, ganhou no segundo turno com mais de 60% sobre o candidato dele.  Enfim, foi uma surra monumental como ninguém podia imaginar e agora tá todo mundo sorrindo e pedindo a demissão dele do cargo de Premier. Vejamos o que vai acontecer !

Fui ....  Até amanha, em São Paulo !!!



Escrito por Esther às 05h09
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



Capitulo 48 - Um pouco de Suiça

Queridos e queridas,

Penúltimo final de semana antes do meu retorno ao Brasil.

Final de semana de sol!

Praia ou montanha?

O que fica mais perto?

Os Alpes !! Vamos para a Suíça!

Pedimos emprestado o carro para a mãe do Andrea e fomos dormir em Milano para no Sábado cedo entrar na Suíça Italiana, atravessar o Passo de San Gotardo para ultrapassar este lado dos Alpes e ir dormir num vilajero chamado Oberwald, já no cantão alemão.

Mas a Suíça é curta ... chegamos la antes do almoço. Ai resolvemos ir um pouco mais adiante e chegamos em Interlaken antes do lanche da tarde. Continuamos na estrada e chegamos em Berna antes do jantar.

(lembrete aos navegantes: viajar sem reserva de hotel – feita pela sua agente de viagens preferida - te dá a liberdade de parar onde der vontade, mas isso tem um preço. Ou o cansaço e irritação de ficar procurando hotel e perdendo tempo de passeio, ou a irritação e o cansaço de ter de pagar a tarifa balcão).

Não tínhamos nenhum plano de chegar a Berna, nem neste final de semana nem nos últimos 30 anos de vida, por isso e porque se trata de uma cidade tombada pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade, a capital da Suíça foi uma grande surpresa. À parte o belíssimo desenho medieval do centro, Berna é como a Suíça .... (estou fazendo um esforço enorme para não cair em estereótipos, mas tá difícil) ... organizada, limpa, silenciosa. É impossível encontrar um pedaço de papel no chão, um muro grafitado, uma teia de aranha, um outdoor ou cheiro de xixi embaixo da ponte, parece que a grama já nasce podada e as vacas penteadas.

Lembrei muito de uma piadinha que escutei na época do colégio:

Você sabe como é o paraíso europeu?

O Cozinheiro é Frances

O Engenheiro é alemão

O Policial é inglês

O Contador é suíço

E o Amante é italiano

Agora imagina como seria o inferno europeu:

O Cozinheiro seria inglês            

O Engenheiro, Frances

O Policial, alemão

O Contador, italiano

E o Amante, suíço

Pela teoria, a Suíça seria mesmo o paraíso possível na Terra (antigo slogan de Atibaia !!!) porque reúne a seriedade incorruptível germânica, com o savoir faire Frances e o bom humor italiano, mas não estou muito certa que isso funcione assim porque fiquei com a impressão de que o lado alemão fala mais forte, é a verdadeira Suíça, é quem comanda. O lado Frances faz a mediação, exporta uma imagem mais acolhedora do país e os italianos são considerados os “terroni” da Suíça, tipo os nossos nordestinos pelo olhar dos nossos sulistas, aqueles que não são levados a sério, que são discriminados. Um exemplo disso é o site de turismo de Berna. As opções de idiomas do site são : alemão, Frances, espanhol e inglês .... não tem italiano que é um idioma oficial do pais! Muito esquisito.

Berna funciona como um relógio ... desculpe, foi inevitável ... Não existem guardas na rua e não precisa de nenhum controle porque todo mundo segue a regra, ninguém dá uma de esperto porque não tem um policial na esquina,  a cidade é limpa e silenciosa porque não tem transito. Mais do que isso, não tem quase nenhum carro circulando no centro e nós percebemos a razão: não se pode estacionar.  Simples, não é? Como não dá para parar, ninguém vem de carro, só de “tram” e de bicicleta, que me pareceu ser o verdadeiro veiculo de transporte de massa ....  (massa de 127 mil habitantes!)

 Entre estes 127 mil seres humanos, teve um habitante de destaque internacional e sem procurar na Internet duvido que alguém saiba quem foi (na verdade tem uma lista de gente famosa que em algum momento morou em Berna).

Foi o alemão Albert Einstein, que residiu aqui por sete anos, mas que já morava na Suíça desde sua adolescência. Aos 17 anos renunciou a nacionalidade alemã para não fazer o serviço militar ficando sem pátria por alguns anos ate se naturalizar suíço em 1901.

Visitamos parte do seu Museu, que conta toda sua vida e tenta explicar a Teoria da Relatividade. Da Teoria continuo não entendo nada, mas descobri um fato que me pareceu interessante contar aqui.

Quando os alemães congelaram sua conta bancaria alemã por ser um judeu, ele pediu ao governo suíço que interviesse confirmando que ele era suíço, mas os helvéticos não quiseram nem ouvir o chororó porque estavam p. da vida pelo fato dele sempre se apresentar como um cientista alemão, e responderam ao seu pedido com um sonoro : cada um com seus problemas!

E assim Einstein se tornou cidadão norte americano.

Quem pode, pode.

Beijosss

 

 

 



Escrito por Esther às 17h28
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



Capitulo 47 - Eu tambem quero falar de Strauss-Kahn

No mundo inteiro se fala do agora ex-diretor do FMI, Strauss-Kahn e suas aventuras sexuais nas terras do Tio SAM.

Eu acho incrível que alguém com a experiência política internacional que tem esse senhor, provavelmente conhecedor não só da lei, mas da moral norte americana quando se fala em sexo, e representante de uma instituição importante como o FMI, possa ter pensado em transar com uma desconhecida em um hotel de luxo em plena Nova York!

Sem pretender entrar no mérito da questão de estupro, abuso sexual ou sexo consentido, nos USA, pais onde se orienta os homens estrangeiros a nunca entrar em um elevador onde haja apenas uma mulher para não correr o risco de ser acusado de Assedio Sexual, não se transa!! Menos ainda se você for alguém importante.

Mas ler essa noticia aqui na Itália tem outro aspecto muito interessante: comparar a atitude do Estado norte americano e do italiano frente a um delito.

Ontem a noite assisti um programa famoso aqui, chamado ANNOZERO, com a presença dos mais importantes jornalistas italianos para discutir este tema. Como convidado especial, Al Gore.

Milhares de comparações vieram a tona : para começar Strauss-Kahn, alegando inocência, se demitiu do FMI para preservar a instituição enquanto Berlusconi, alegando ser macho, não larga o poder de jeito nenhum. Nos USA, um diretor do FMI e possível candidato a presidência francesa vai ver o sol nascer quadrado por ter abusado sexualmente de uma negra imigrante enquanto na Itália lhe seria oferecida imigrantes de outras cores também, em uma festinha “bunga bunga” em Arcore - Milano (casa de Berlusconi). Em duas horas de programa, estes jornalistas levantaram as diferenças entre estas duas formas de conceber a lei e a justiça e as inúmeras intersecções com o caso Rubygate.

O final do programa o jornalista e escritor Marco Travaglio me fez rir muito. Em sua crônica sobre o tema, contou que correm boatos de que Strauss-Kahn esteja pedindo sua cidadania italiana, já que este evento nova-iorquino seria parte positiva em uma carreira política italiana, e que aqui a historia seria outra: ele não seria chamado de estuprador, apenas de utilizador final de uma camareira e que seria considerada Invasão de Privacidade contar o que aconteceu naquele quarto de hotel. Pelo olhar berlusconiano são os bolcheviques infiltrados na Policia de Manhattan e no Judiciário que estão fazendo uso político da Justiça e que não se tem provas de que Strauss-Kahn estava fugindo só porque estava tentando desesperadamente pegar o primeiro vôo para Paris. Aqui a camareira seria considerada uma agente da KGB ou da Al Qaeda ou ainda da Hammas e o Strauss-Kahn um altruísta que a violentou apenas para evitar que ela fosse violentada por alguém (essa frase foi assoprada por Berlusconi).

Algumas mudanças poderiam ser introduzidas nas já infinitas propostas de mudanças de leis que Berlusconi vive enviando ao parlamento. Primeiro uma de Imunidade Absoluta para grandes dirigentes, especialmente para os altos representantes do FMI, segundo uma que prevê prisão para os jornalistas que escreverem sobre o caso antes do seu desfecho e, por ultimo, um adendo a lei sobre a Prescrição Breve (mencionada em capitulo anterior, que provoca os mais acirrados debates) que seria de prescrição brevíssima para o caso de atos sexuais, prescreveria no próprio ato da ejaculação, na verdade seria chamada de Prescrição Precoce.

Por hoje é só,

beijos

os. Soube que a casa de Berlusconi, sempre identificada como “Arcore” (o distrito onde fica) agora é chamada de “Hardcore”.



Escrito por Esther às 07h42
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



Capitulo 46 - Vento que Sopra do Norte

 

Sopra um vento novo do norte !!

Foi assim que a imprensa italiana fechou o dia de ontem e acho que a grande maioria dos italianos foi dormir respirando aliviada esse ar que veio do Norte.

Estavam se referindo a Milão, base política de Berlusconi, que dessa vez respondeu de forma inesperada ao chamado do capo !!

Vamos aos fatos : tivemos as eleições ADMINISTRATIVAS, que são as eleições para Prefeito (enquanto as eleições para o congresso são chamadas de políticas! como se essas não fossem políticas .... sei la ... será que eles acham que prefeito não faz política ??) Bom, o Berlusconi resolveu politizar essa eleição ao máximo, como se fosse um referendo de aprovação a ele. Acho que ele foi tão longe na loucura do poder que se esqueceu que nesta eleição votava o povo e não os deputados corruptos que ele vive comprando e errou a mão. Me lembrei de Janio Quadros.

A sua candidata, (coalizão do PDL, o partido dele, com a LEGA NORD, partido de extrema direita que deseja a independência da região norte que chamam de Padania), é a atual prefeita que tenta a reeleição. Não preciso nem comentar que ela usou de forma ilegal e exagerada toda a maquina do Estado para fazer propaganda mas lembro que Milão é o centro da Padania, ou seja, é onde esta o núcleo da Lega Nord (Lombardia e Veneto).

Essa senhora,  la Moratti, que se imaginava já reeleita, alem de ser antipática é péssima estrategista e no ultimo debate transmitido pela TV entre ela e o candidato da esquerda que vinha muito forte nas pesquisas,  teve a palavra por ultimo para fechar o programa e deu uma de Collor : usou um golpe baixo. Relembrou que Pisapia, o candidato da coalizão de esquerda, um advogado muito serio, tinha sido julgado 30 anos atrás como culpado pelo roubo de um veiculo que seria usado em um ato terrorista. O programa acabou e ele não teve direito de resposta.

 Acontece que esta acusação é falsa porque ele já havia sido inocentado naquela época. A mídia e a população caíram matando na atitude desleal da Moratti e Pisapia acabou obtendo uma votação recorde inesperada até pela esquerda: 48% dos votos. A Moratti ficou em segundo lugar, com 42% dos votos, muito aquém das previsões,  e os outros 10% espalhados em candidatos de direita ou esquerda, mas sempre de oposição a Berlusconi. Vão agora para o segundo turno, daqui a duas semanas, sem saber onde Berlusconi vai buscar votos e com a Lega Nord no pé, enlouquecida porque deve perder em casa e vai ter que viver governada pela esquerda.

Mas a lufada de ar não veio só de Milão, em Torino o candidato da situação, de esquerda, se elegeu já no primeiro turno, em Bologna o candidato de centro esquerda venceu também já no primeiro turno o candidato da Lega Nord apoiado pelo PDL e em Napole o candidato do PDL vai para o segundo turno disputando com o candidato de um pequeno partido de esquerda que inesperadamente superou o candidato da situação de centro e promete arrebanhar os votos do centro alem dos da esquerda.

Esta é a situação nas quatro capitais regionais mais importantes onde se disputaram eleições e em toda a península parece que os italianos estão acordando e usando o voto para interromper a escalada berlusconiana rumo ao fascismo, o que permitirá que a Itália viva uma democracia mais longeva.

Me uno aos milaneses que nesta tarde se reuniram para cantar em praça publica: Bella Ciao, Bella Ciao, Bella Ciao Ciao Ciao.....

 

Bella Ciao Talco
(canção popular que ganhou uma versão durante a Segunda Guerra Mundial, tornando-se um símbolo da resistência italiana-partigiana)

Una mattina mi son svegliato,
o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!
Una mattina mi son svegliato,
ed ho trovato l'invasor.

O partigiano, portami via,
o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!
O partigiano, portami via,
ché mi sento di morir.

E se io muoio da partigiano,
o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!
E se io muoio da partigiano,
tu mi devi seppellir.

E seppellire lassù in montagna,
o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!
E seppellire lassù in montagna,
sotto l'ombra di un bel fior.

E le genti che passeranno,
o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!
E le genti che passeranno,
Mi diranno «Che bel fior!»

«È questo il fiore del partigiano»,
o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!
«È questo il fiore del partigiano,
morto per la libertà!


 

 



Escrito por Esther às 16h38
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



Capitulo 45 - Para Meninos e Meninas

 

Ola meninos e meninas,

Este capítulo deveria ter sido escrito antes da minha viagem para a França mas não deu tempo então escrevo agora.

Naquele momento se cruzaram alguns acontecimentos aqui na Itália e ai no Brasil que falavam, e continuam falando, do mesmo tema.

Houve a polêmica do deputado Jair Bolsonaro, que deve ter apanhado muito do pai quando era pequeno, com suas declarações racistas, fascistas e homofóbicas. Depois li sobre a aprovação da lei brasileira que reconhece a união civil entre duas pessoas do mesmo sexo. Enquanto isso, aqui estava acontecendo uma grande polêmica com uma propaganda feita pela IKEA, empresa sueca gigante, de moveis e decoração (de quem a Tok Stok copiou o modelo) presente na Itália e em toda a Europa, que lançou uma publicidade nos jornais italianos mostrando dois homens de mãos dadas, de costas, e um texto que diz: “Estamos abertos a todas as famílias”.

Imediatamente o secretario do Ministério da Família começou a gritar histericamente (esse também dever ter apanhado muito do pai e da mãe quando era pequeno) que isso é um absurdo, falar em FAMILIA se referindo à união de dois homens, é também anticonstitucional uma vez que esta escrito na lei italiana que família é a união de um homem e uma mulher e que os italianos estão ofendidos com esta insinuação da empresa sueca.

Teria sido melhor se ele tivesse ficado quieto, a publicidade teria sido esquecida rapidamente, como acontece quase sempre. Mas em função dessa sua declaração raivosa vieram os contra ataques. Políticos de centro e de esquerda começaram a questionar em nome de quem o Ministro do Governo “Bunga Bunga” (termo usado por Berlusconi para se referir em publico às suas festas-bacanais) podia falar de Constituição e de Moral.

Depois houve um ato em frente as lojas da Ikea em Roma e em Firenze, onde uma multidão de casais gays e heteros se reuniram para um longo beijo na boca como forma de protesto ao preconceito expresso nas declarações do Governo.

Por último, a grande empresa de gastronomia italiana (e torinese) Eataly, lançou uma publicidade em todos os jornais do país com a foto de duas mulheres de mãos dadas, de costas, com o texto : “Nós do Eataly também estamos abertos a todas as famílias. Somos italianos e não nos ofendemos. Invés disso, dizemos VIVA ao Amor verdadeiro entre duas pessoas e a possibilidade de qualquer um formar uma família ”

É, um dos problemas para a Itália fazer uma conversa séria sobre temas como divórcio, aborto ou homossexualismo é a presença do Vaticano ali na esquina. O italiano médio é moralista, conservador e hipócrita como a Igreja, que depois de todo esse discurso sobre a família e a moral, não retirou o apoio ao Berlusconi nem mesmo depois dos escândalos das festas “bunga bunga” em sua villa, das prostitutas maiores e menores que ele freqüenta  e do constrangimento internacional que isso provoca. Não consigo entender a popularidade desse cara e o porquê do italiano médio continuar votando nele.

Falando nisso, estamos em plena eleição para prefeito. Mas eleição aqui é bem diferente: não são todas as cidades que votam para prefeito este ano, o voto não é obrigatório, o voto não é eletrônico, se vota em dois dias (domingo e segunda), o cédula de votação é uma folha de papel enorme com todos os candidatos e suas coalizões e o resultado vai demorar para ser conhecido.

Esta eleição se transformou em um plebiscito: para o premier, quem não votar por um candidato do governo esta votando contra ele e a cidade de Milão se tornou o centro das atenções: a atual prefeita que é do partido de Berlusconi dificilmente se reelege. Se realmente perder, será a primeira derrota do tio Silvio.

Contarei tudo depois que abrirem as urnas, contarem os votos, recontarem caso ela tenha perdido, criarem algum caso e aceitarem a derrota, se isso realmente acontecer.

Por enquanto, beijos

Ps. Impossível controlar um certo sentimento de orgulho brasileiro ...   

 

 



Escrito por Esther às 19h33
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



Diario 44 - Paris

Paris!

Poderia preencher uma pagina só com adjetivos sobre esta cidade. Começando com Linda, Iluminada, Harmônica e ad nauseum, mas acho que muitos de vocês já têm suas próprias listas de adjetivos e não quero competir, quem sabe apenas comparar, porque é isso que venho fazendo ha meses, comparando os lugares, as tradições e as pessoas de diferentes países.

Antes de começar a escrever tenho que explicar que estou em Paris. Vim para uma reunião com um cliente e aproveito a tarde livre para passear com o Andrea, meu personal travel agent. Como eu estava concentrada na reunião, foi ele quem pesquisou e propôs o nosso tour, tentando visitar e descobrir coisas novas para os dois. Sua proposta, que aceitei sem pestanejar, foi de fazer um roteiro pela Art Nouveau em Paris, no 16° arrt. baseado em um relato que ele encontrou em um fórum na internet e que veio lendo em voz alta durante a caminhada. O Andrea é um cara muito especial, um diplomata na essência, que nunca fecha uma questão ou emite uma opinião sem antes experimentar e confirmar ao vivo e,  mesmo assim, tenta sempre relativizar os extremos e balancear as versões  (by the way, ele é de libra !). Assim, passeamos pelo bairro seguindo o texto que dizia: “nessa rua não tem nada de interessante” ou “os apartamentos são lindos por dentro mas não dá para ver nada de fora” ou ainda “a parte mais bonita está fechada e não se pode entrar”.

E não é que era isso mesmo!!!

Foi um tour inesquecível pela ausência, pela falta do que ver e do que sentir, mas no final descobrimos algo que passou um século sem ser revelado aos turistas mais profissionais do mundo: que no final do século XIX e inicio do XX houve um concurso de fachadas de prédios em Paris!! Encontramos aquela que ganhou o primeiro lugar, obra do arquiteto Guimard, o mesmo que desenhou a famosa entrada em ferro do metro parisiense. Como eu pude viver ate hoje ignorando isso??

Mas qualquer experiência, por mais pobre que seja, pode ser uma inspiração e olhando este bairro pensei na Itália e na Rússia e lá vou eu comparar a geografia urbana soviética dos espaços enormes e intransponíveis, a aridez do cimento e a falta de decoração com a Itália medieval de ruas estreitas, casas baixas e aconchegantes, de pedra e tijolos, para chegar na Paris de Haussmann, planejada , uniforme, iluminada e ultra decorada. Linda.... E vive la différence !!

Mas a viagem não acabou .... Paris me reservou uma surpresa.

Passamos na frente da Opera de Paris e paramos para fazer aquela foto inevitável. Mas eis que vejo um pequeno cartaz (foto no Facebook) e me aproximo: Ballet do Bolshoi !!! Quando ?? HOJE !!!! Exatamente HOJE !!!!

Saímos correndo para a bilheteria e confirmei o que já imaginava, tudo lotado. Mas fora do prédio ouvi alguém dizer: “ballet, hoje” e parei. Já entendi que para assistir o Ballet do Bolshoi tenho obrigatoriamente que passar pelos “dealers”, em qualquer lugar do planeta, este pelo menos fala uma língua que conheço. Começamos a negociar. Ele me ofereceu dois ingressos por 60 euros cada, que são exatamente os 2.500 Rublos que paguei em Moscou. Pareceu-me justo afinal tem que considerar o deslocamento de todo o entourage e que se trata de uma avant premier na Opera de Paris, depois de 20 anos sem apresentações deles por estas bandas, uma soirée de gala ... Tentei regatear mas quando começam a se aproximar outras senhoras procurando ingressos, resolvi escolher os melhores lugares do que ele tinha nas mãos e fechar o negocio. Aqui pelo menos sei quanto paguei pelo “serviço”: o bilhete que comprei custou oficialmente 12 euros .... arghhhh   

Mas tudo vale a pena se a alma não é pequena e quando entro no Palácio  Garnier, atravesso as escadarias e galerias barrocas, quando me sento na cadeira de veludo vermelho, quando vejo todo o teatro sob meus pés (estou no quarto andar), quando a orquestra começa a tocar e quando a primeira bailarina do Bolshoi entra na ponta e faz trinta fouettes, não lembro mais quantos euros me levaram ate ali e com os olhos mareados consigo apenas imitar a pequena Gaia : UUUAAAAAAAUUUUU !!!!!!

beijinhos



Escrito por Esther às 20h14
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



Capitulo 43 - Alpini

 

Que sorte a minha!!! Estar em Torino em pleno 2011.

Este ano a cidade é o centro da Itália. Alem das exposições especiais e das aberturas extraordinária de museus e alguns espaços históricos por causa do aniversario da Unificação, todos os eventos anuais também passam por aqui. E eu estou de testemunha.

Hoje, sábado, é um desses dias impares na vida desta cidade. Dois eventos importantes estão acontecendo aqui. Tem a partida do Giro d’Itália, a corrida de bicicleta que atravessa o país, o equivalente ao Tour de France, que começa hoje em Torino e acaba em Milano no dia 29 de maio, 3498 km depois, refazendo em 2011 o percurso que Garibaldi fez em sua luta pela unificação da Itália.

Não sei bem quantos estão inscritos na corrida e quantos vieram ao centro para acompanhar os atletas, mas mesmo que não seja meia dúzia de gatos pingados, farão pouca diferença na muvuca que se instalou por aqui, por causa do outro evento que esta rolando.

Trata-se do 84° Encontro Nacional dos Alpini.

Aposto que isso não diz nada a ninguém mas tenho que explicar porque ate agora eu não tinha visto uma coisa assim.

Primeiro a parte teórica: quem são os Alpini ?

Trata-se de uma divisão do Exercito Italiano criada em 1872 e formada por soldados que lutam na região dos Alpes. Duas deduções importantes: são homens preparados para a vida nas Montanhas, ou seja, esquiadores, escaladores e conhecedores dos vales e caminhos sinuosos e difíceis da região, tanto no inverno como no verão, e muito respeitados por isso.  Segunda: alem do Mediterrâneo, são os Alpes que delimitam as fronteiras terrestres da Itália com o resto da Europa (França, Áustria e Suíça) e com isso vocês podem entender a importância do trabalho desses caras, defendendo o território em tempos de guerra e mesmo de paz ...

Mas tem outro aspecto muito interessante. Os Alpini são sempre a Força Publica mobilizada para a Proteção Civil em caso de terremoto, enchentes, avalanches, calamidades publicas e de fazer a segurança em eventos importantes como as Olimpíadas e por este contato direto, voluntario e de assistência à população,  eles são simplesmente AMADOS pelos italianos.

Ate uns cinco anos atrás existia o serviço militar obrigatório para os homens que completavam 18 anos e uma parte do contingente, especialmente aqueles oriundos das regiões do Norte da Itália (onde se encontram os Alpes) eram destacados para servir com os Alpini, que recebia italianos também de outras regiões da península e que sempre tiveram um orgulho especial de pertencer a este corpo, que crescia a cada ano.  

A marca registrada deles é o chapéu. Um modelo próprio com uma pena preta, que muda de tamanho de acordo com a hierarquia. Eles têm também a tradição de se reunir todo os anos, cada ano em uma cidade. Para 2011 escolheram a primeira capital da Itália e o encontro rola neste final de semana.

Mas não é que ele eles foram chegando assim como quem vem de visita. É uma invasão!!!

Explico com números: a cidade tem uma população de 1 milhão de habitantes e eles são em 500 mil !!! A metade da população daqui, sem contar que vários vieram com as famílias!

Mas na grande maioria são homens! Parecem vikings: bebem o que encontram pela frente. Os bares estão transbordando de gente, tem garrafões e garrafões de vinho e cerveja espalhados pela cidade ... vazios, obvio.

Chegam em carro, caminhão, burros, motocicleta, estranhos carros de guerra, com duzentos empoleirados sobre a caçamba, parece comemoração do final da guerra, cantando e brindando com garrafas já quase vazias.  Não existe hotel para todo mundo e por isso foram montados acampamentos alem da instalação de um monte de trailers em praças e parques. Os restaurantes que normalmente nem abrem no sábado ou no domingo, estão todos abertos e cheios ate de madrugada, para a felicidade do caixa e desafio aos garçons. Os ônibus passam lotados como eu nunca vi, e as ruas completamente congestionadas de pedestres. Mas corre tudo na santa paz, eles são alegres e festejados por todos.

Festejados pelo seu passado heróico, de defesa da nação, de derrotas honradas até no norte da África e na Batalha de Stalingrado, durante a Segunda Guerra Mundial, defendendo a Itália de Mussolini. Hoje eles estão no Afeganistão, defendendo não se sabe bem o que, se a Itália, se o Mundo Ocidental, se os acordos assinados com os Estados Unidos por Berlusconi .... putz, tinha ate esquecido deste sujeito, achei que passaria um final de semana sem tocar em seu nome...

Já é domingo e os Alpini estão desfilando, desde as 09 da manha ate as 19 horas. Ai eles vão embora, e na segunda feira a cidade amanhecerá de ressaca, pronta para a faxina das vias publicas e dos debates, esquecidos neste final de semana, sobre o fim do berlusconismo ....

Vou beber ....

beijos

 



Escrito por Esther às 19h08
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



Capitulo 42 - A Bella Italia

 

Voltei!

E encontrei a Itália exatamente onde a havia deixado: a espera do fim do Berlusconismo.

No sábado seguinte fomos visitar uma Exposição que durará ate Novembro e que celebra os 150 anos da Unificação. É uma das exposições mais bonitas, do ponto de vista cenográfico, que já visitei (vou tentar fazer umas fotos ). Chama-se “Fazer os italianos”. Esta montada em uma área enorme, antiga oficina de trens de Torino e é dividida em vários temas: unificação, educação, imigração, guerras, fascismo, boom econômico, Máfia, consumo, transportes, TV. Na verdade só começamos a visitar a exposição porque mesmo voltando no domingo não conseguimos chegar ao final, mas ficou uma primeira percepção interessante: a democracia na Itália vive ciclos não superiores a 60 anos.

Explico: em 1861 foi criado o Reino da Itália, apoiado em uma constituição bastante democrática frente à realidade das diversas regiões que acabaram aceitando (por bem ou nem tanto) o controle do soberano piemontês. Foi um período duro porem de liberdade. Mas a partir de 1920, 60 anos depois, o fascismo cresceu e acabou engolindo o país que chegou ao final da Segunda Guerra dividido e em guerra civil entre os partigiani socialistas ou católicos e fascistas que sobreviveram a Republica de Saló. A democracia retornou e o ciclo recomeçou a partir de 1950, com o “boom” econômico, o Plano Marshall, as políticas de Bem Estar Social (para convencer o mundo ocidental que não era só no socialismo que os trabalhadores eram protegidos pelo Estado), com  liberdade de pensar, construir, viver e votar, em ... Berlusconi.  

2011. 60 anos depois, parece que estamos vivendo novamente a montagem de um sistema fechado e não democrático. Como as mudanças são sempre delineadas no cotidiano temos que prestar atenção: já foi apresentada uma proposta para anular a lei que proíbe a remontagem de um partido fascista (vide capitulo anterior); agora o partido de Silvio propõe uma mudança sutil no texto constitucional. Onde se lê “o povo é soberano” querem reescrever “o parlamento é soberano”. O que se pode entender é o desejo de plenos poderes ao Parlamento, que já se sobrepõe ao Judiciário (vide capitulo anterior) e que se mistura com o Executivo porque agora o Primeiro Ministro (quem executa) é o chefe do partido que tem maioria no parlamento, fruto de uma mudança que o governo atual fez na lei e que tira do povo o voto direto nos deputados parlamentares. E tem ainda algumas leis absurdas que Berlusconi esta conseguindo aprovar, como a que reduz o período de prescrição dos processos, sem que venha junto uma nova formula para reduzir o prazo de tramitação dos processos e apuração dos fatos. Trocando em miúdos, esta lei prescreve e cancela milhares de processos que ficarão sem julgamento, prejudicando milhares de italianos que estão aguardando a conclusão de suas ações que simplesmente desaparecerão junto com os processos contra Berlusconi.

Falando nisso, ainda não prescreveu o mais recente: Rubygate, no qual ele é réu por ter transado com uma prostituta marroquina menor de idade. Na ultima declaração, ele explicou que não pagou para transar com ela mas pagou para não transar com ela e assim desestimulá-la a seguir essa vida.  E continuou pagando por varias sessões mas a gente não sabe se ela se convenceu, se ele acredita que os juízes possam acreditar em uma bobagem dessas e por que o Viagra ainda não o contratou como garoto propaganda  ....

Ficamos por aqui

Beijos

 

 



Escrito por Esther às 09h14
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



Capitulo 41 - Considerações Finais

 

Estou já sentada no avião, vinda de Moscou via Munique para Torino. Parece cabine de despressurizarão: sair do completo analfabetismo cirílico para chegar na Alemanha onde, bem ou mal, se entende os sinais e as palavras básicas. Mas mais do que isso, as coisas funcionam como devem funcionar e os funcionários sejam da Lufthansa, do free shop ou da policia inspiram credibilidade. Depois entro em um vôo onde o comandante fala italiano e posso entender tudo, ate a velocidade e a altitude. Ufffffaaaa.

Poder falar com as pessoas é maravilhoso mas viver a experiência do diferente, embora seja  as vezes incomodo, desconfortável, é enriquecedor  e acho que é isso que procuramos em uma viagem: fazer uma rápida imersão na diversidade, descobrir que povos diferentes encontram soluções diferentes para os mesmos problemas  e  encontrar laços entre culturas diversas. Constatar o poder de uma tradição que faz com que seres humanos, nascidos iguais, se diferenciem ate fisicamente uns dos outros é perturbador e esse caleidoscópio humano me fascina.

 Falando em laços entre as culturas, me divirto quando encontro as sombras de um povo impressos em outro. Aprendi que a origem da palavra Bistrô, que todo mundo pensa que é francesa, é russa !! A palavra é BYSTRO e quer dizer “rápido”. Conta a lenda que quando os russos invadiram Paris em 1813-15 ( preciso confirmar essa informação) entravam nos restaurantes e ordenavam a comida gritando : BYSTRO! BYSTRO!  Ai o nome pegou e Bistrô virou um restaurante que serve comida fast .... hum .... Mac Donalds então é um bistrô !!!

Agora se este foi um exemplo da presença russa em Paris, o que não falta é a presença francesa na Rússia. Napoleão foi o grande Public Relations da França na Europa, inimigo e ao mesmo tempo fonte de inspiração. A Rússia esta cheia de referencias à França napoleônica em prédios, palácios e monumentos construídos para celebrar ou uma derrota ou uma vitoria de um império sobre o outro.

Mas tive também a oportunidade de visitar duas empresas em Moscou, potenciais clientes, e seus escritórios revelaram que a Rússia empresarial esta ainda na década de 50. Refiro-me a decoração, tecnologia e relações corporativas.

Olhando para a Rússia que faz parte do BRIC fica a impressão de que não existiu um “segundo” mundo, uma segunda potencia. Eu diria que a União Soviética era muito boa na arte da propaganda e na política do confronto, mas no fundo estava muito atrasada em relação os EUA, em termos de tecnologia,  de desenvolvimento cientifico e pelo que vi aqui, também em termos bélicos. A Guerra Fria foi uma longa partida de pôquer.  Posso estar fazendo uma afirmação equivocada, mas acho que a democracia brasileira è mais saudável do que a russa e não me surpreenderia se alguém me confirmasse que estamos tecnologicamente a frente deles.  

Nosso comandante alemão  avisa, em italiano, que  chegaremos 10 minutos antes do horário previsto! Nada como um vôo alemão.

Mas o aeroporto de chegada é italiano e o comandante complementa a informação depois do pouso : Senhores passageiros, como chegamos antes do horário, o pessoal do aeroporto esta surpreso  e não providenciou ainda o ônibus para levá-los ao terminal. Solicitamos sua paciência para aguardar alguns minutos antes de efetuarmos o desembarque ....

Isso é Itália! Viva !!!

 



Escrito por Esther às 18h40
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]